Garimpo de água é um crime

0
Garimpo
Garimpo

A Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL),  apelou sábado à população que denuncie casos de “garimpo”, para que todos os munícipes tenham acesso à água sem constrangimento.

Gilberto
Garimpo

Albertino Viegas administrador da área de Projectos Industriais,  visitou às estações de tratamento de água da Maianga, Marçal, Cazenga, Kifangondo, Camama, Benfica e Talatona, e outras instalações da EPAL
Albertino Viegas falou que “a água é para ser consumida por todos e não para ser comercializada por terceiros” e anunciou, ainda para este ano, mais ligações domiciliárias em Luanda, no âmbito do programa “700 mil ligações”, levado a cabo pela empresa há já alguns anos.

O responsável explicou que a reabilitação do sistema dois da estação de tratamento de água de Kifangondo. E explica a redução actual do volume de água disponível nos centros de distribuição do Cazenga e Marçal, que estão a trabalhar de forma alternada.
“Das 700 mil ligações domiciliárias,  temos já metade executada”, informou Albertino Viegas, adiantando que tudo está a ser feito para melhorar o fornecimento de água à província de Luanda, depois da conclusão dos projectos Bita e Kilonga, com o objectivo de atender ao aumento da população.

Albertino Viegas integrou uma delegação chefiada pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, que visitou sábado as estações de tratamento de água da Maianga, Marçal, Cazenga, Kifangondo, Camama, Benfica e Talatona. Na ocasião, o ministro disse que a construção de novas estações de tratamento de água e a reabilitação das existentes vão melhorar o nível de cobertura da rede de distribuição à capital angolana, beneficiando mais de um milhão de habitantes até 2016.

Desde há muito que a EPAL se queixa da actividade dos “garimpeiros” de água potável que causam danos às condutas, para desviarem água para tanques e camiões cisternas, a fim de ser comercializada em áreas onde o abastecimento é insuficiente ou não chega. Em operações concertadas com a Polícia Nacional, foram detidos “garimpeiros” angolanos e estrangeiros, por praticarem essa actividade ilegal, sobretudo no distrito urbano do Kilamba Kiaxi e nos municípios de Viana e Belas.
O Serviço de Investigação Criminal (SIC) deteve em flagrante delito, na primeira quinzena deste mês, 10 indivíduos por desviarem água potável a partir das condutas da EPAL.

O porta-voz da EPAL, Domingos Paciência, disse à agência Angop que os detidos fazem parte de redes que obstruem as condutas, desviando a água para tanques e camiões cisternas para a comercialização ilegal. A luta contra o “garimpo” de água, desencadeada em operações conjuntas entre a Polícia Nacional e a EPAL, começou em 2011 nos distritos urbanos do Kilamba Kiaxi e Samba e nos municípios de Belas, Viana e Cacuaco.
Na sequência dessas acções, foram desactivadas várias áreas de “garimpo” e erguidos novos postos de abastecimento onde, anteriormente, era inviabilizada a distribuição de água a instituições e a áreas residenciais. A Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL) tem sublinhado que o “garimpo” causa prejuízos de nove milhões de kwanzas por dia.

 

Fonte: jornaldeangola

Comenta Agora!