Destaque

Oposição dúvida do combate à corrupção “Este escândalo Lussaty vem demonstrar que o Presidente está a fazer combate selectivo”

A “limpeza” efectuada pelo Presidente, que resultou na exoneração do general Pedro Sebastião, substituído por outro general Francisco Pereira Furtado, e o pedido de João Lourenço ao novo Chefe da Casa de Segurança para “sacudir” todos os fantasmas das Forças de Defesa e Segurança estão a ser recebido com muita dúvida pela oposição!

A UNITA, o maior partido na oposição, diz que tanto João Lourenço como Francisco Pereira Furtado ocuparam altos cargos no sector da Defesa. E nem conseguiram limpar a casa.

Para a deputada Mihaela Webba o Chefe de Estado está a pedir algo que sabe ser uma tarefa impossível.

“O Presidente João Lourenço tornou-se Chefe de Estado e comandante em chefe das FAA em 2017, desde aquela data o que ele andou a fazer que não conseguiu acabar com os fantasmas das Forças Armadas? Isto só mostra que ele não está a combater corrupção nenhuma e este escândalo Lussaty vem demonstrar que o Presidente está a fazer combate selectivo à corrupção e impunidade porque se não o próprio governador do BNA devia já ter sido exonerado”, afirma Webba, sublinhando que “a corda arrebenta sempre pelo lado mais fraco”.

Por sua vez, o deputado independente pela CASA-CE, Makuta Nkondo, questiona a nacionalidade de Furtado.

“Ele já foi chefe de Estado-maior das FAA como cabo-verdiano e agora é o Chefe da Segurança do Presidente sendo cabo-verdiano, penso que é uma situação muito grave”.

Nkondo também aponta o dedo ao Presidente, ao lembrar que ele foi “ministro da Defesa e que não conseguiu sanear as Forças Armadas, como comandante em chefe”.

Por isso, não acredita que essa operação comandada pelo Presidente vá ter alguma futuro.

“O Governo e o próprio João Lourenço caíram no descrédito”, conclui.

O PRS, através do seu secretário-geral, Rui Malopa, também diz não acreditar que seja possível tal limpeza com o MPLA.

Similar Posts