Paulo Flores
Celebridades

Paulo Flores disse ”ainda tenho sonhos”

O músico e compositor Paulo Flores falou que ainda tem sonhos, esperança e medo.

Paulo Flores
Paulo Flores

Paulo Flores nasceu em Luanda no município  do Cazenga no dia 1-7-1972,  é um dos cantores mais populares de Angola,  mudou-se para Lisboa durante sua infância. Começou como cantor de Kizomba, lançou o seu primeiro álbum em 1988, as suas canções tratam temas diversos e a vida quotidiana dos angolanos.

O actor de “Ché Povo”, que comemorou recentemente 43 anos, boa parte dos quais dedicados a levar boa música aos angolanos, respondeu a todas as mensagens de carinho e de felicitações que lhe foram dirigidas nas diferentes redes sociais. Entre os sonhos de Paulo Flores constam palavras como esperança, medo, insegurança, a descoberta de novas palavras, novas melodias e novas formas de amar. No final, Paulo Flores felicitou os seus compadres de aniversário, Moreira Filho, Yuri Simão e Estrela Coimbra. “Quarenta e três anos depois, ainda tenho sonhos. Esperança, medo e insegurança, ainda descubro novas palavras, novas melodias, novas formas de amar. Os meus parabéns aos meus xarás de aniversário Moreira Filho, Yuri Simão e Estrela Coimbra”, escreveu o músico.

Paulo Flores aos 16 anos grava na Rádio Luanda Kapuete Kamundanda (1988), onde o tema “Cherry” protagoniza um novo género musical, a Kizomba (que significa Festa em kimbundu), fusão de ritmos do zouk das Antilhas com elementos do Congo e de Angola, com grande predominância de teclados electrónicos. Paulo Flores aparece assim, juntamente com Eduardo Paim, na primeira linha deste movimento crucial da música de dança africana (lusófona) de cariz urbano, popularizado em Portugal nos anos 80.

Paulo Flores explora o olhar crítico da geração que cresceu depois da independência e reflecte o sentimento de revolta face à destruição que assiste no seu país. Encontra as palavras certas para falar da extraordinária capacidade de resistência do povo angolano, da sua energia e da sua vitalidade, expressos na sua música e na sua dança. A Kizomba dominou a produção musical do espaço lusófono até metade dos anos 90, e domina ainda até hoje, o imaginário dos amantes das “Áfricas”! Em Lisboa, o género impõe-se rapidamente no mercado africano (discos e discotecas). Os álbuns Sassasa (1990), Coração Farrapo (1991) e Thunda Mu N’jilla (1992) são os principais sucessos que fazem de Paulo Flores um ícone da música de Angola em Portugal.

 

Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/

Similar Posts